O cuidar não é profissão, e sim chamado divino -Taking Care of others is not a profession, but a div

A medicina milenar tem suas origens na observação do ser e de tudo o que o cerca. Os médicos

ancestrais observavam seus prodígios, analisavam características em seu caráter que acreditavam ser primordiais para a prática da medicina, do cuidar do próximo. Ser um médico, terapeuta, ou curador não era mérito para quem quisesse ser, mas sim para quem era escolhido pelos anciãos. A divina prática do cuidar precisava ser administrada àqueles que tinham potencial para isso, dentro de si.

Neste artigo venho elaborar 12 características essenciais ao praticante da ARTE DO CUIDAR. Estes elementos, que não somente ao meu ver, mas principalmente pelo o que a história nos deixa em seus documentos milenares, são alguns dos principais elementos que precisam existir no interior destes seres que possuem tamanha responsabilidade com o próximo, em tantos sentidos.

Classifico aqui então 6 elementos iniciais. Os outros 6 serão elaborados na continuação deste mesmo artigo.

Vale a pena dizer que certas características precisam já existir no ser, através do cuidar de seus familiares, principalmente pela forma em que o (a) praticante do cuidar foi criado(a) por seus pais. Outras são desenvolvidas ao longo do tempo, principalmente pelo remodelamento da mente e do espírito.

Vamos então aos 6 elementos iniciais:

1) Fé- Este elemento é o principal. É a chave para que todos os outros elementos possam existir, pois nada procede do nada. Se somos vasos onde o espírito habita, isto significa que a obra que é realizada na vida do praticante do CUIDAR DO PRÓXIMO é realizada perante o recebimento da dádiva divina de Deus. É torna-se um vaso para levar água que cura às outras vidas. É reconhecer a sua insignificância diante do TODO PODEROSO DEUS, e ter o agradecimento genuíno de poder ser utilizado para curar o próximo, ajudá-lo em suas aflições.

2) Empatia- Este elemento é um dos mais nobres no ser. É o se colocar na situação do próximo, é sentir a sua dor. É saber que aquela situação na qual aquele ser encontra-se poderia ser a minha situação atual. É colocar a seguinte questão: o que posso fazer para ajudá-lo(la) da forma mais eficaz? É o verdadeiro sentido do amor, na prática. “A fé e a esperança desaparecerão, mas o amor jamais desaparecerá” (1 Cor 13,8).

3) Modéstia- Este elemento é fundamental para o praticante da arte do cuidar. A modéstia significa que não somos melhores do que aquele que está enfermo ou numa situação de maior desvantagem. Existem elementos em nossas vidas que são ocultos ao próximo, mas que são observados por quem pode nos ver de fato, em nossa alma, no nosso espírito. É tratar o próximo com dignidade, sendo humildes porque sabemos que somos falhos em nossa própria essência. A modéstia reconhece que nós mesmos somos seres que precisam de cuidados especiais também.

4) Continência- Este é o elemento que mantém o praticante do cuidar em equilíbrio. É o elemento que o faz enxergar que seu corpo é um templo digno de ser bem cuidado, que não se entrega com facilidade aos desejos carnais que vão contra ao que é necessário para se manter verdadeiro consigo mesmo, à nível de sua alma, de seu espírito e de seu criador. É saber que seu chamado exige responsabilidade primeiramente com o seu corpo e sua mente, para somente assim poder cuidar do próximo. Atualmente este elemento é como diamante, difícil de ser encontrado,e posteriormente ser lapidado.

5) Confronto: Este elemento anda junto com a sinceridade. É com este elemento que o praticante da arte do CUIDAR consegue de forma eficaz expor ao paciente o que precisa ser transformado, ser renovado, ser chamado à atenção. Entende-se que o paciente chegou até aquele momento em sua vida por uma consecutiva estrada de erros, tanto conscientes quanto inconscientes. Quem enxerga somente a superfície não conseguirá discernir o que realmente acontece a nível da alma do ser, de sua essência. O praticante então precisa estar em sintonia com sua forma mais íntegra de viver, assim podendo observar o que outros não conseguem ver. É o confronto que se dá a nível energético, a nível do espírito. O confronto é um dos elementos essenciais, mas nem sempre é bem visto pelo paciente, porém precisa existir.

6) Longanimidade- Este elemento é a fonte d´água do praticante do cuidar. Precisa ser renovada diariamente, pois trata-se do cultivo do espírito. É o sofrer por fazer o bem, mesmo sendo considerado como imbecil aos olhos da grande maioria. Somente com a longanimidade o praticante poderá perseverar diante de toda dificuldade que encontrar, tendo ainda ânimo mesmo diante das mais difíceis circunstâncias de sua vida. Este elemento só é possível ser cultivado mediante uma vida de entrega a Deus, tendo a noção que o chamado a ser um curador é um chamado que tem o seu preço. Enquanto muitos dilaceram a sua essência, o curador tem seus olhos fixos naquilo que o cultiva a ser um indivíduo que é mais utilizado para fazer uma grande diferença na vida das pessoas, em sua breve passagem por este mundo.

Espero que vocês leitores e fãs de nosso blog cultivem alguns destes elementos em suas vidas. Se você gostou do que leu aqui, por favor compartilhe com seus queridos amigos. A ideia aqui é levar conteúdo de crescimento para o máximo de pessoas possíveis e assim quem sabe transformar a vida de alguém para melhor. Se conseguimos mudar uma vida para melhor, todo o esforço que culminou a este ponto valeu a pena.

Graça e paz!

Dr. Carlos Frederico Lima

Posts Em Destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square